Por que a Austrália vai abater 10 mil camelos com atiradores a bordo de helicópteros

Mais de 10 mil animais serão sacrificados após invadirem comunidades em busca de água em meio à seca prolongada.

Por que a Austrália vai abater 10 mil camelos com atiradores a bordo de helicópteros

Nesta semana os líderes aborígines das terras de Anangu Pitjantjatjara Yankunytjatjara (APY) solicitaram o abate de mais de 10 mil camelos.

O motivo para tal determinação é simplesmente porque os animais bebem muita água, principalmente em regiões do sul, que enfrentam uma grande seca.

A razão? O calor extremo e a grave seca que atingem a região.

++ The Witcher supera Stranger Things como a série da Netflix mais popular no mundo

O sacrifício dos animais, que começou na quarta-feira (08) , tem previsão de durar cinco dias.

Os caçadores pertencem ao Departamento de Meio Ambiente e Patrimônio da Austrália.

++ Tailândia bombardeia o país com sementes de árvores para combater o desmatamento

A população dos animais que serão caçados, na verdade, não é só de camelos: o que se considera como o grupo de “camelos selvagens australianos” também inclui dromedários.

A decisão foi tomada depois que as comunidades aborígenes da região denunciaram que grupos de camelos estavam danificando estruturas em busca de água.

“Eles estão andando pelas ruas em busca de água. Estamos preocupados com a segurança das crianças”, disse Marita Baker, da comunidade Kanypi.

Alguns cavalos selvagens também serão abatidos.

++ Energia Solar: 5 perguntas para entender a guerra sobre a “taxação do Sol”

O calor e a seca provocaram uma onda de incêndios florestais na Austrália nos últimos meses, mas a seca prolongada se estende há anos no país.

É por isso que o sacrifício dos camelos não está diretamente relacionado à crise causada pelas queimadas.

O abate será realizado na reserva Anangu Pitjantjatjara Yankunytjatjara (APY), área onde vivem vários grupos de povos indígenas.

++ Projeto de Química recebe menção honrosa em congresso de Toxicologia

Mais informação

Os camelos e dromedários são considerados pragas na Austrália, existem cerca de 1,2 milhão deles por lá.

Esses animais podem viver até 60 anos, aguentam temperaturas extremas e bebem 200 litros de água de uma só vez.

O fato deles terem os dias contado para viver, é porque estão entrando nas comunidades à procura de água e acabam causando muitos estragos.

Há relatos que eles derrubam cercas, entra em casas e tentam até pegar água dos aparelhos de ar-condicionado.

++ Suas fotos podem ter vazado, saiba como atualizar o WhatsApp

São R$ 6,6 milhões em danos aos moradores todos os anos.A situação não é crítica só para as pessoas, para os próprios animais também, visto que eles acabam muitas vezes morrendo atropelados durante a busca por água, e nisso seus corpos acabam indo parar em importantes fontes que ficam contaminadas.

Outro motivo pelo qual os camelos serão mortos, é porque eles emitem metano equivalente a uma tonelada de carbono por ano, o que causa uma grande emissão de gases poluentes que contribui para o efeito estufa.

Esta não é a primeira vez que camelos serão abatidos no país, de 2009 a 2013, cerca de 160 mil camelos já foram mortos. Isso porque desde o século 19, quando os animais foram importados do Oriente Médio, da Índia e do Afeganistão para serem usados como transporte de cargas pesadas, sua população vem dobrando incontrolavelmente.

++ 3 remédios caseiros que ajudam a amenizar os efeitos da gastrite; confira

Estima-se que em nove anos, a população de camelos tende a dobrar.

Diante disso, os abates passaram ocorrer legalmente desde 2009.

Por fim, os camelos serão abatidos por helicópteros no dia 8 de janeiro de 2020, todo o processo pode durar até cinco dias.

E depois as carcaças dos camelos serão deixadas para secar antes de serem queimadas ou enterradas.

++ Atração polêmica: Vanessa Giácomo irá interpretar Eliza Samudio em série sobre goleiro Bruno

Não deixe de curtir nossa página no Facebook e também no Instagram para mais notícias do Mídia.

*Com informações da Revista Galileu, News.com.au, Exame e Terra.


Seja o primeiro a colaborar

Deixe seu comentário!

Informe seu nome
Informe seu email